Decisões reduzem valor a ser pago de contribuição previdenciária
>
>
Decisões reduzem valor a ser pago de contribuição previdenciária

Uma nova tese tributária começa a ganhar corpo no Judiciário. Empresas têm conseguido sentenças que excluem o ICMS da base de cálculo da contribuição previdenciária patronal. A discussão se assemelha ao embate travado no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a retirada do ICMS do valor a pagar da Cofins. Há sentenças favoráveis à nova tese em Brasília, Belém (PA) e Sorocaba, interior de São Paulo.

A estimativa é que a nova discussão traga impacto de aproximadamente R$ 10,1 bilhões aos cofres da União. Dos quais R$ 3,25 bilhões seria o estimado em 2015 e R$ 6,85 bilhões, considerando-se os últimos cinco anos.

Desde o início da política de desoneração da folha de pagamento, em 2011, instituída pela Medida Provisória (MP) nº 563, convertida em na Lei nº12.546, diversos setores foram obrigados a recolher 1% sobre a receita bruta de contribuição patronal. Antes, o pagamento correspondia a 20% sobre a folha de salários.

Com a alteração, a Receita Federal publicou orientação pela qual estabelece que o ICMS esteja na base de cálculo da Contribuição Patronal Sobre a Receita Bruta (CPRB). Para o Fisco, o ICMS faz parte do conceito de faturamento, o que gera um aumento da contribuição final. O mesmo sistema é adotado pela Receita para cálculo do PIS e da Cofins – tema julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) com resultado favorável aos contribuintes.

Em razão da similaridade das discussões, as empresas levaram o novo embate ao Judiciário. Para os contribuintes, o ICMS não pode ser incluído no conceito de faturamento por não ser receita da empresa, sendo apenas repassado aos Estados, a partir das vendas de mercadorias ao consumidor. Como a tese é nova, há poucas sentenças.

A 15ª Vara Federal em Brasília foi uma das primeiras a concedera decisão favorável, uma empresa têxtil de São Paulo, sobre a tese.

Ao analisar processo, o juiz João Luiz de Sousa, julgou que a receita bruta está atrelada ao faturamento mensal da sociedade empresarial, enquanto o ICMS tem sua base de incidência tributária no preço da mercadoria. Ele ressaltou que a discussão é semelhante à de ICMS e ISS na base de cálculo do PIS e da Cofins. Na época, ainda não havia a decisão do Supremo. Por isso, o magistrado cita jurisprudência do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região e do Superior Tribunal de Justiça (STJ) a favor do contribuinte.

O Juiz concedeu também na mesma sentença tutela antecipada (espécie de liminar) para empresa deixar de recolher a contribuição previdenciária patronal com o ICMS incluso em sua base de cálculo, sem a possibilidade de sofrer autuações do Fisco. Além de autorizar, no fim do processo, a compensação ou restituição dos valores já pagos indevidamente.

Para o advogado que representa a empresa, Périsson Andrade, a sentença pode servir de precedente para outras companhias e está de acordo com o que decidiu o Supremo, pois “tal imposto não constitui receita da empresa e sim dos Estados”. O Advogado afirma que essa sentença ganha ainda mais importância por ser de Brasília, onde contribuintes de todo o país podem entrar com a ação. “E Brasília tem decisões mais arejadas e mais receptivas às novas discussões tributárias”.

Uma metalúrgica também obteve sentença favorável na 2ª Vara de Sorocaba (SP). Ao decidir, o juiz do caso ressaltou que o julgamento do Supremo, que ainda não havia sido finalizado, sinalizava a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins. Segundo a decisão “o ICMS, cujo ônus recai sobre o consumidor final das mercadorias e serviços prestados, é um imposto indireto, arrecadado pelo contribuinte da CPRB de forma agregada ao valor dessas mercadorias e serviços e, posteriormente, repassado à fazenda Pública Estadual, que é sujeito ativo daquela relação tributária”. Nessa Linha, determinou que a empresa tire o ICMS da base de cálculo da contribuição para recolhimento futuros e possa compensar eventuais valores já pagos. A União recorreu da decisão.

Para o advogado da metalúrgica, Djalma Rodrigues, com a sentença, a companhia conseguiu uma economia significativa em torno de 20% do total que paga de contribuição previdenciária. A companhia vende produtos com alíquotas de ICMS 18% e outros que chegam a 25%.

Uma fabricante de rolhas e garrafas PET também conseguiu decisão favorável na Justiça Federal de Belém. Para o advogado da empresa, “o valor do ICMS não se encaixa como receita, pois o valor não fica na conta bancária da companhia”. A Fazenda recorreu da sentença para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Por Adriana Aguiar

http://www.valor.com.br/legislacao/3845492/decisoes-reduzem-valor-ser-pago-de-contribuicao-previdenciaria

Fonte:  Valor Econômico

Comentários da Lopes & Castelo Sociedade de Advogados

Tratam-se de discussões similares àquela decidida inconstitucional pela inclusão do ICMS da base de cálculo da Cofins, bem como a CPRP, que da mesma forma possui o incluso imposto inserido no cálculo por dentro. Lembrando que, não poderá ser considerado como faturamento, essa anomalia resiste por parte do Fisco.

Cabe a cada contribuinte analisar este impacto em sua carga tributária, para se valer do seu direito ao ingresso de uma medida judicial cabível para exclusão da parcela do ICMS.

Não existem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *