Empresas pretendem adaptar contratos de trabalho à reforma
>
>
Empresas pretendem adaptar contratos de trabalho à reforma

As empresas pretendem fazer alterações nos contratos de trabalho com base na reforma trabalhista, que entra em vigor amanhã. Os principais pontos estão sendo definidos em reuniões com os sindicatos patronais. A construção civil, por exemplo, quer ampliar o uso da terceirização, acabar com o pagamento de horas extras em horários ociosos e adotar a previsão de demissão de comum acordo.

No comércio, pretende-se resolver questões sobre jornada de trabalho aos domingos e feriados. Já a área têxtil planeja reduzir o horário de almoço, implementar a demissão consensual e a homologação anual dos contratos, como forma de evitar novos processos judiciais.

Os sindicatos de trabalhadores, por outro lado, acreditam que tudo ainda deverá ser negociado nas convenções coletivas. E alertam que não devem permitir alterações que prejudiquem o trabalhador. Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a implementação vai gerar precarização do trabalho, queda no consumo e mais crise econômica.

Alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), por meio da Lei nº 13.467/2007, consideradas inconstitucionais, ainda devem gerar, segundo as entidades, milhares de ações judiciais de trabalhadores e sindicatos.

O vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), Haruo Ishikawa, afirma que a nova lei da terceirização e a reforma trabalhista devem ajudar principalmente a reduzir as ações judiciais que tratam do tema e ampliar seu uso no setor. As empresas pretendem fazer alterações nos contratos de trabalho com base na reforma trabalhista, que entra em vigor amanhã. Os principais pontos estão sendo definidos em reuniões com os sindicatos patronais. A construção civil, por exemplo, quer ampliar o uso da terceirização, acabar com o pagamento de horas extras em horários ociosos e adotar a previsão de demissão de comum acordo.

No comércio, pretende-se resolver questões sobre jornada de trabalho aos domingos e feriados. Já a área têxtil planeja reduzir o horário de almoço, implementar a demissão consensual e a homologação anual dos contratos, como forma de evitar novos processos judiciais.

Os sindicatos de trabalhadores, por outro lado, acreditam que tudo ainda deverá ser negociado nas convenções coletivas. E alertam que não devem permitir alterações que prejudiquem o trabalhador. Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a implementação vai gerar precarização do trabalho, queda no consumo e mais crise econômica.

Alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), por meio da Lei nº 13.467/2007, consideradas inconstitucionais, ainda devem gerar, segundo as entidades, milhares de ações judiciais de trabalhadores e sindicatos.

O vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), Haruo Ishikawa, afirma que a nova lei da terceirização e a reforma trabalhista devem ajudar principalmente a reduzir as ações judiciais que tratam do tema e ampliar seu uso no setor.

No comércio, o principal ponto de conflito a ser resolvido envolve os mecanismos de compensação de jornada. Segundo Ivo Dall’Acqua Júnior, vice-presidente da FecomercioSP, com exceção da folga semanal, a compensação de horas de domingos e feriados poderá ser melhor negociada a partir de agora.

“A reforma, sem mexer nos direitos, abriu a possibilidade de mecanismos compensatórios mais flexíveis”, afirma.

Até então, apesar de ser permitido por lei ao setor o trabalho aos domingos, o funcionário só podia trabalhar três domingos seguidos. No caso das mulheres, a previsão é de um domingo trabalhado e um folgado. O trabalho em feriados tinha que ser tratado em negociação coletiva. “Casar todas essas regras com o descanso semanal era um inferno. A reforma agora possibilita essa transação”, afirma.

O setor de turismo, hotelaria e eventos, também atrelados à FecomercioSP, deve começar a adotar o contrato de trabalho intermitente, no qual o funcionário é chamado a trabalhar apenas em períodos determinados. “Isso é muito importante para esses setores que têm mais demandas em determinados períodos”, diz Dall’Acqua Júnior.

As empresas da área têxtil têm se interessado basicamente pelos acordos nas demissões, pela homologação de acordos na Justiça e pela quitação anual do contrato de trabalho como forma de evitar novas ações judiciais, segundo o advogado trabalhista e presidente do Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo (Sinditêxtil-SP), Luiz Arthur Pacheco.

“Ainda não se sabe como vão funcionar na prática esses acordos judiciais homologados na Justiça. Mas as empresas estão interessadas porque se evita acordo apenas depois de ajuizada uma ação judicial”, afirma Pacheco.

Também existe a possibilidade de implantação da redução do horário de almoço, caso seja da vontade dos próprios trabalhadores da área têxtil, segundo Pacheco. Como a jornada é de 44 horas semanais, se houver redução do intervalo, os funcionários podem ir embora mais cedo no sábado.

Ainda que as empresas estejam otimistas com a entrada em vigor da reforma, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, afirma que o cenário deve piorar bastante para o trabalhador. “Deixaremos de ter empregos para fazer bicos”, diz.

Para ele, “com a contratação de uma mão de obra menos qualificada teremos produtos de pior qualidade. E com a diminuição de salários teremos uma redução do consumo e um agravamento da crise econômica”.

Tudo isso, acrescenta, deve gerar uma grande insegurança jurídica. “Grande parte da Justiça do Trabalho é contra a reforma e sindicatos e trabalhadores vão à Justiça para questionar pontos da nova lei”, diz Freitas.

Por Adriana Aguiar

Fonte: Valor Econômico

Não existem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nossas Unidades

São Paulo / SP
Avenida Paulista, 575 – 12º And.
Bela Vista – São Paulo / SP
CEP: 01311-000

Telefone: (11) 3876-1360
Email: contato@lopescastelo.adv.br

Recife / PE
Av. Antônio de Góes, 60 – 14º and.
JCPM Trade Center – Pina – Recife / PE
CEP: 51010-000

Telefone: (81) 3040-0053
Email: filialrecife@lopescastelo.adv.br

Rio de Janeiro / RJ
Rua República do Chile,  330 – 14º And.
Torre Oeste – Centro – Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20031-170

Telefone: (21) 2391-4764
Email: filialrio@lopescastelo.adv.br

Vitória/ES
Rua Jose Alexandre Buaiz, 300 – 20º And.
Enseada do Suá – Vitória/ ES
CEP: 29050-545

Telefone: (27) 4040-4948
Email: filialvitoria@lopescastelo.adv.br

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar!

Shopping Cart