Magazine Luiza perde causa de PIS e Cofins no Carf
>
>
Magazine Luiza perde causa de PIS e Cofins no Carf

A 3ª Turma da Câmara Superior do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) manteve cobrança no valor de R$ 110 milhões – segundo fontes da Receita Federal – do Magazine Luiza. O processo discute o pagamento de PIS e Cofins referente ao período entre 2006 e 2009.

A autuação foi efetuada em 2011 e tem cinco pontos principais. Um dos mais relevantes, que interessa a diversas empresas, aborda o conceito de insumo. A empresa considerou que embalagens, combustíveis, taxas pagas a administradoras de cartões e juros de financiamento obtido junto ao BNDES, seriam insumos. Por esse motivo, aproveitou créditos que seriam gerados com essas despesas. Para a maioria dos conselheiros, porém, os itens não poderiam ser enquadrados nessa hipótese.

Outro ponto relevante é relacionado à LuizaCred, braço financeiro da companhia, fruto da parceria entre a varejista e a Fininvest. Para o Fisco, a empresa teria descumprido as regras de permanência no regime cumulativo de apuração do PIS e da Cofins – que não permite o aproveitamento de créditos. Por isso, cobrou a diferença de alíquotas das contribuições entre o regime cumulativo e não cumulativo.

Por causa da mudança do regime de tributação de receitas do contrato com a Fininvest, a varejista recalculou os créditos de PIS e Cofins em relação às aquisições de fornecedores estabelecidos na Zona Franca de Manaus. Apesar de mudar a apuração das contribuições em 2006, a empresa só informou a situação aos fornecedores em 2007, o que foi considerado inadequado pelo Fisco.

Também foi discutida a inclusão de juros sobre capital próprio na base de cálculo do PIS e da Cofins. O último ponto é a tributação de bonificações, pagas pelos fornecedores por amortização de custos e ressarcimento de despesas com propaganda cooperada (em que a loja anuncia os produtos). Os juros de mora sobre a multa de ofício foram excluídos no julgamento de 2014.

O assunto chegou à Câmara Superior após recurso da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) sobre os juros e do contribuinte sobre o mérito. Inicialmente, a Câmara Superior não julgaria o recurso, por entender que os paradigmas (recursos com decisões opostas) apresentados pela empresa para levar o caso à análise não eram adequados. Mas, a varejista obteve uma liminar que reconheceu a similitude. Por isso, o processo foi julgado.

O julgamento do processo foi retomado ontem, após pedido de vista em novembro. Por maioria, o recurso da PGFN foi aceito e o recurso da empresa negado. Segundo o relator, conselheiro Andrada Marcio Canuto Natal, representante da Fazenda, inicialmente, o Magazine Luiza tributava todas as suas receitas pela sistemática da não cumulatividade, inclusive o contrato da Luizacred. Posteriormente, passou a tributar as receitas no regime misto e se beneficiar de um aproveitamento maior de crédito. A forma como a mudança foi feita e comunicada foi considerada inadequada.

As bonificações adicionais foram consideradas receitas e, por isso, incluídas na base da contribuições. Os juros sobre capital próprio também devem integrar a base de cálculo, segundo o relator. A empresa os afastava da tributação por considerar que têm natureza de dividendos.

A discussão sobre o conceito de insumo e a geração de créditos para o PIS e a Cofins está na 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O julgamento sobre a tese ainda não foi concluído. Por enquanto, o placar é favorável aos contribuintes, que contabilizam quatro votos contra a interpretação restritiva adotada pela Receita Federal e um a favor.

No Carf, a nova composição da 3ª Turma da Câmara Superior julgou o tema no início de 2016. Na ocasião, a maioria dos julgadores considerou que, para o uso de créditos, o insumo deve ser necessário ao processo produtivo e, consequentemente, à obtenção do produto final. No caso, que envolvia a Sadia, foram considerados insumos acessórios como luvas e máscaras, pallets (suporte para movimentar cargas), embalagens e material de limpeza. O serviço de lavagem de uniformes ficou de fora.

Por nota, a varejista afirmou entender que a autuação é indevida. “O Magazine Luiza aguardará a publicação da decisão para avaliar se apresentará embargos de declaração ou se adotará as medidas judiciais cabíveis para fazer valer o seu direito”, afirma.

Por Beatriz Olivon

Fonte: Valor Econômico

Não existem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nossas Unidades

São Paulo / SP
Avenida Paulista, 575 – 12º And.
Bela Vista – São Paulo / SP
CEP: 01311-000

Telefone: (11) 3876-1360
Email: contato@lopescastelo.adv.br

Recife / PE
Av. Antônio de Góes, 60 – 14º and.
JCPM Trade Center – Pina – Recife / PE
CEP: 51010-000

Telefone: (81) 3040-0053
Email: filialrecife@lopescastelo.adv.br

Rio de Janeiro / RJ
Rua República do Chile,  330 – 14º And.
Torre Oeste – Centro – Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20031-170

Telefone: (21) 2391-4764
Email: filialrio@lopescastelo.adv.br

Vitória/ES
Rua Jose Alexandre Buaiz, 300 – 20º And.
Enseada do Suá – Vitória/ ES
CEP: 29050-545

Telefone: (27) 4040-4948
Email: filialvitoria@lopescastelo.adv.br

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar!

Shopping Cart