Precatório quita dívida de ICMS
>
>
Precatório quita dívida de ICMS

Uma decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) garantiu a um contribuinte o direito de quitar débitos do ICMS com precatórios gerados pelo próprio Estado. Por maioria, os desembargadores da 1ª Câmara Cível determinaram a extinção da execução fiscal, por meio de sub-rogação – nesse caso, o Estado seria credor e devedor de si mesmo -, ou a suspensão do processo até que os títulos sejam pagos.

Os desembargadores deram provimento a um recurso apresentado pela América Móveis e Eletrodomésticos, que ofereceu à penhora precatórios do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul. O relator, desembargador Jorge Maraschin dos Santos, vencido no caso, seguiu a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Por meio de recurso repetitivo, os ministros decidiram que, apesar de o precatório ser penhorável, a Fazenda Pública pode recusar a oferta desse crédito nos casos legais – baixa liquidez e desobediência da ordem de bens prevista na Lei de Execuções Fiscais (nº 6.830, de 1980).

Para os demais desembargadores, no entanto, a recusa de penhora de precatório – que equivale a crédito – não pode ocorrer “de modo puro e simples, sem demonstração nem justificativa”. De acordo com o desembargador Irineu Mariani, presidente da 1ªCâmara Cível, a decisão do STJ “impõe que o credor demonstre a violação (existência de bens que precedem)”, que justifique a recusa. “Diga-se de passagem, não faria sentido algum o STJ por um lado reconhecer que o crédito de precatório é penhorável, e, por outro, entregar ao inteiro arbítrio do Poder Público aceitar ou não, sendo por demais sabido que o responsável pelo fato de ser chamado de ‘crédito podre’ é ele mesmo. Isso seria dar com uma mão e tirar com a outra”, diz o magistrado.

Também não caberia no caso, segundo o desembargador, o argumento de baixa liquidez. “O Estado recusar a penhora de crédito precatório, em última análise devido por ele mesmo, porque tem pouca liquidez, é querer tirar proveito da própria torpeza, visto ser o causador disso”, afirma Mariani, acrescentando que a ordem prevista na Lei de Execuções Fiscais “não tem caráter absoluto, mas relativo”.

Com a decisão, de acordo com o advogado Nelson, que defende o contribuinte, os desembargadores deram um xeque-mate no Estado. “Ou quita a dívida ou fica suspensa a execução até que haja o pagamento dos precatórios”, diz. “Quando ele pagar, ele recebe.” Procurada pelo Valor, a Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul não deu retorno até o fechamento da edição.

Arthur Rosa – De São Paulo

Não existem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *