Receita e PGFN publicam regras de Parcelamento do Simples
>
>
Receita e PGFN publicam regras de Parcelamento do Simples

A Receita Federal e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) regulamentaram o parcelamento especial de débitos – vencidos até maio deste ano – para as microempresas e empresas de pequeno porte. Advogados chamam a atenção para o desconto que pode ser concedido em relação às multas de ofício e destacam o impedimento para a inclusão de dívidas de empresa com falência decretada.

Segundo a Instrução Normativa nº 1.677, publicada ontem pela Receita, as multas de ofício serão reduzidas em 40%, se o pedido de parcelamento for feito no prazo de 30 dias a contar da data da notificação da autuação fiscal. Ou 20%, se for feito em até 30 dias da notificação de decisão administrativa de primeira instância.

A norma também deixa claro que podem ser parcelados os débitos constituídos ou não, com exigibilidade suspensa ou não, e inclusive os já parcelados anteriormente. E que não entram débitos relativos a ICMS e ISS já inscritos na dívida ativa dos Estados, multas por descumprimento de obrigação acessória (envio de declaração, por exemplo), referentes a tributos retidos na fonte e débitos de empresa com falência decretada.

Já de acordo com a PGFN, podem ser parcelados débitos inscritos em dívida ativa da União com exigibilidade suspensa ou não, parcelados anteriormente ou não, exceto no caso de empresa com falência decretada. A regulamentação da procuradoria consta na Portaria nº 1.110.

O advogado Marcelo Bolognese, lembra que a vedação para empresas com falência decretada não está na Lei Complementar nº 155, deste ano, que criou o parcelamento especial (artigo 9º). Para ele, essa restrição é ilegal.

“A restrição prejudica, por exemplo, a empresa que foi excluída do Simples em 2015, passou a apurar os débitos na modalidade de lucro presumido este ano e, enfim, teve a falência decretada”, afirma. “Essa pequena empresa só conseguirá ingressar nesse parcelamento mediante amparo judicial.”

Resultará na rescisão do parcelamento a falta de pagamento de três parcelas, consecutivas ou não, ou a existência de saldo devedor após vencer a última parcela.

“Pela atual conjuntura de mercado poder parcelar débitos em até 120 meses é um alívio para as empresas do Simples. As regras vigentes permitem só em até 60 meses”, afirma Douglas Campanini. A prestação mínima é de R$ 300 e o prazo para adesão vai até 10 de março.

Por Laura Ignacio

Fonte: Valor Econômico

Não existem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nossas Unidades

São Paulo / SP
Avenida Paulista, 575 – 12º And.
Bela Vista – São Paulo / SP
CEP: 01311-000

Telefone: (11) 3876-1360
Email: contato@lopescastelo.adv.br

Recife / PE
Av. Antônio de Góes, 60 – 14º and.
JCPM Trade Center – Pina – Recife / PE
CEP: 51010-000

Telefone: (81) 3040-0053
Email: filialrecife@lopescastelo.adv.br

Rio de Janeiro / RJ
Rua República do Chile,  330 – 14º And.
Torre Oeste – Centro – Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20031-170

Telefone: (21) 2391-4764
Email: filialrio@lopescastelo.adv.br

Vitória/ES
Rua Jose Alexandre Buaiz, 300 – 20º And.
Enseada do Suá – Vitória/ ES
CEP: 29050-545

Telefone: (27) 4040-4948
Email: filialvitoria@lopescastelo.adv.br

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar!

Shopping Cart