Bancária que trabalhou oito anos em
>
>
Bancária que trabalhou oito anos em

Uma bancária que trabalhou oito anos no núcleo de triagem do Banco Santander em Niterói/RJ receberá R$ 50 mil por assédio moral. O local, apelidado de porão pelos funcionários, era insalubre, sem janelas e sem higiene, e continha mofo, ratos e baratas. A 2ª turma do TST não conheceu do recurso da instituição, mantendo a condenação.

A autora relata que o Santander estava impedido de dispensar empregados no Município do Rio de Janeiro em virtude de liminar deferida em ACP ajuizada pelo sindicato da categoria. Então, ela e um grupo de colegas foram transferidos para o núcleo de triagem, em dezembro de 1998, na tentativa de dispensá-los.

Além da transferência, a bancária disse que, embora fosse assistente de agência, passou a contar e separar cheques, documentos velhos e cortar papéis para brochuras. A partir de 2004, foi afastada e ficou em casa, aguardando ordens com promessas de recolocação. Em 2006, foi dispensada, depois que o TRT da 1ª região reformou a sentença da ACP, possibilitando ao banco demitir.

Testemunhas confirmaram que o ambiente de trabalho era degradante. Um colega disse que o Ministério do Trabalho autuou a agência pelas péssimas condições, e que no núcleo de Niterói, criado para a transferência e demissão de empregados, os vazamentos eram habituais e chegou a matar um rato.

Concluindo que a transferência foi uma “manobra perversa do banco para levar a cabo as dispensas”, o TRT confirmou a condenação fixada pelo juízo de primeiro grau e arbitrou a indenização em R$ 50 mil.

O banco então recorreu ao TST sustentando que houve perdão tácito por parte da bancária, tendo em vista que não pleiteou a rescisão indireta do contrato de trabalho e recusou a alteração de seu posto de trabalho. O relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, afastou essa hipótese.

Para o relator, “ao manter o contrato de trabalho, visando a sua própria subsistência, ainda que em condições degradantes, não é possível, por si só, entender que a trabalhadora relevou as situações vividas e tampouco perdoou tacitamente o banco”.

• Processo: RR-142800-26.2006.5.01.0022

Fonte: Migalhas

Não existem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nossas Unidades

São Paulo / SP
Avenida Paulista, 575 – 12º And.
Bela Vista – São Paulo / SP
CEP: 01311-000

Telefone: (11) 3876-1360
Email: contato@lopescastelo.adv.br

Recife / PE
Av. Antônio de Góes, 60 – 14º and.
JCPM Trade Center – Pina – Recife / PE
CEP: 51010-000

Telefone: (81) 3040-0053
Email: filialrecife@lopescastelo.adv.br

Rio de Janeiro / RJ
Rua República do Chile,  330 – 14º And.
Torre Oeste – Centro – Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20031-170

Telefone: (21) 2391-4764
Email: filialrio@lopescastelo.adv.br

Vitória/ES
Rua Jose Alexandre Buaiz, 300 – 20º And.
Enseada do Suá – Vitória/ ES
CEP: 29050-545

Telefone: (27) 4040-4948
Email: filialvitoria@lopescastelo.adv.br

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar!

Shopping Cart