Ainda sem regulamentação, marketplace pode ser responsabilizado por conteúdo
>
>
Ainda sem regulamentação, marketplace pode ser responsabilizado por conteúdo

Artigo publicado no Conjur. Link

Novas formas de encarar os negócios surgem a cada dia, pensadas para oferecer uma experiência mais satisfatória para os consumidores. Neste sentido, uma das ferramentas que vêm ganhando popularidade, tanto entre empreendedores quanto entre consumidores, é o marketplace.

O e-marketplace nada mais é do que um modelo de negócio virtual, conhecido por conectar diretamente cliente e fornecedor, sem a participação de intermediários para aquisição de produtos e prestação de serviços.

Essa plataforma possibilita a aproximação das partes de forma mais interativa, valores mais acessíveis e, por consequência, uma maior margem de lucro na transação.

Para o consumidor, a aquisição é contínua, idêntica à de uma loja virtual, porém com o diferencial de ter acesso a diversos vendedores, em um único site, para o mesmo produto.

Esse modelo ganhou espaço no mercado por gerar oportunidades para diversos negócios, pois, através de parcerias com outros fornecedores, é possível um lojista comercializar produto sem estoque em seu website.

No entanto, não é apenas de pontos positivos que se constrói essa relação: existem riscos e desafios para os dois lados. Podemos elencar facilmente uma fragilidade no desafio da manutenção da responsabilidade com os consumidores, afinal, se o produto ou serviço prestado não for eficiente, quem deverá responder? A plataforma que disponibiliza o produto on-line ou a empresa detentora do bem que faz a entrega?

É importante entender que vender produto de terceiros pode trazer consequência jurídica totalmente diferente em relação às outras formas de negócios, sendo essencial que o futuro empreendedor tenha conhecimento e considere os aspectos legais deste ramo de negócio que se diferencia do modelo tradicional de comércio.

Do aspecto jurídico, o marketplace não possui nenhuma definição ou lei que regulamente sua aplicação ou defina seus parâmetros, motivo pelo qual o sistema jurídico brasileiro utiliza para solução de conflitos analogias para composição.

Podemos destacar ainda que cada vez mais aumenta no Judiciário o entendimento de que, muito embora o produto não seja de propriedade do lojista, que se apresenta apenas como uma “vitrine virtual”, o mesmo possui responsabilidade solidária quando for remunerado sobre a venda, devido à aplicação do Código de Defesa do Consumidor.

Nesse diapasão, com base na teoria da aparência do Código de Defesa do Consumidor, observamos que muitos operadores do Direito entendem que, mesmo o marketplace não atuando diretamente na venda, possui responsabilidade decorrente do risco do negócio, por isso qualquer fornecedor que lucra com a atividade deverá responder pelo seu ônus.

Outrossim, há decisões judiciais recentes que entenderam que os marketplaces, como provedores de conteúdo de terceiros, beneficiam-se dos termos do artigo 19, parágrafo 1º da Lei 12.965/14, que prevê que o provedor somente poderá ser responsabilizado por conteúdo gerado por terceiro se, após ordem judicial, não tomar as providências cabíveis. Contudo, ainda não há um entendimento consolidado quanto à matéria.

Para mitigar esse tipo de risco, é fundamental que exista um canal de comunicação clara para o consumidor com todos os termos de uso da plataforma, no qual deverá apontar a responsabilidade final de entrega do produto ou serviços e os direitos e deveres a serem garantidos na operação.

Por fim, é importante observar a promulgação da Lei 12.965, de 23 de abril de 2014, conhecida como Marco Civil da Internet, reguladora das relações de usuários e provedores na internet, cabendo destaque especial sob os aspectos civil e criminal das operações virtuais.

Diante dessa nova realidade, não parece ser outro o caminho ideal, senão uma parceria entre o jurídico do marketplace e dos advogados dos comerciantes que operam nesse ambiente para intervenção focada em mitigar eventuais responsabilidades decorrentes das atividades das partes com apresentação de planos de condutas.

Andressa Morais

Não existem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *